Tag: airbnb

Airbnb Experiências: novo serviço da plataforma permite reservar ou ser o anfitrião de rolês

O Airbnb é uma plataforma comunitária de acomodações que transformou muito do nosso jeito de viajar, descobrir cantinhos para hospedagem e até mesmo criar anúncios de espaços para que outras pessoas se hospedem. E agora a empresa, fundada em 2008, surge com uma nova proposta no universo das viagens que promete nova metamorfose no nosso jeito de conhecer lugares novos ou de receber viajantes em nossas terras.

O negócio é que agora também é possível ser um anfitrião de experiências, que são “excursões ou outras atividades desenvolvidas e guiadas por anfitriões locais”. Isso significa que você pode organizar o acesso de viajantes a pontos específicos da sua cidade, da sua comunidade, da sua cultura e daquilo sobre o que você possui conhecimento. Bem massa, né? Para sermos mais claros, o anfitrião pode oferecer uma imersão de alguns dias ou experiência de um dia em coisas como passeios por botecos tipicamente cariocas, bairros com os melhores graffitis de São Paulo, um dia degustando cafés com um barista bonzão etc., para dar alguns exemplos.

O serviço começou a funcionar aqui no Brasil em junho e por enquanto só rola no Rio de Janeiro e em São Paulo. De acordo com o Airbnb, a ideia é que o oferecimento de experiências amadureça e dê bastante certo nessas cidades antes de que se estenda a outros destinos do país. Várias experiências no Rio e em SP já estão disponíveis lá e vale dar uma passeada (do mesmo que a gente adora pesquisar apês e casas pra alugar, né? Kkk). Além disso, se você tem viagem marcada pra fora do país, essa certamente é uma boa chance de incluir no roteiro programas inusitados e cheios de informações típicas do lugar da vez.

Teve uma ideia de experiência para oferecer? Cola lá no site do Airbnb e dá uma olhada nos padrões de qualidade que eles buscam para entender melhor o processo. Depois é só desenvolver e montar a sua proposta de experiência e enviar para a comunidade, que irá avaliar se sua proposta atende aos padrões de qualidade e entrará em contato com os próximos passos. É você quem define quando hospedará a experiência, além de tamanho do grupo e valor.

Outra coisa muito legal é que também existem as Experiências Sociais, um braço dessa iniciativa que abarca organizações não governamentais e abre a possibilidade de que voluntários, funcionários ou membros do conselho de ONGs registradas criem experiências cuja renda, nesse caso, é 100% revertida à própria ONG, além de incentivar o conhecimento e o envolvimento de pessoas com causas importantes à cidade.

Quem já tá se coçando pra pegar o avião, o busão ou o navio? Vale clicar aqui pra tirar maiores dúvidas.

#partiu!

Fotos: Annie Spratt, Anete Lusifa, Ishan @seefromthesky, Jack Alexander e Clem Onojeghio (Unsplash)

Um fim de semana na Praia da Pipa!

Tibau do Sul, Rio Grande do Norte

Aproveitando a temporada Nordeste – já estou na última semana, snif – chamei os amigos pra gente tirar um findi na Praia da Pipa, no Rio Grande do Norte. Pipa é um destino bem curioso, na verdade: tem “colonização” alemã/italiana/suíça/argentina. São muitos, muitos os gringos que se apaixonaram pela cidade e se estabeleceram, vinte, quinze, dez anos atrás.

Isso significa que a maioria das pousadas e restaurantes de Pipa tem um quê europeu no serviço e qualidade – imagine restaurantes deliciosos de comida principalmente italiana e espanhola (vá no All’Italiano e no Tapas!). Europeu não gosta de coisa ~mais ou menos~, então as pousadas são bem lindas! Ficamos no Recanto da Sophie, que achei no AirBnB como Guesthouse – uma casa linda, com dois quartos enormes, piscina privativa, em média R$ 500. Super vale à pena, ver link.

Alguns passeios são obrigatórios, como a Praia do Amor, Praia do Madero, o por do sol em Tibau do Sul, e a trilha para a Baía dos Golfinhos. Tudo dá pra fazer tranquilamente em um fim de semana, sem pressa. A noite é meio tosca, a galera invade as ruas e fica dançando um reggaeton até os mais corajosos se jogarem na Boate Kalango’s.

Para quem mora no Nordeste, uma escapadinha divertida e não muito cara. Anote na sua próxima lista de destinos.

Top 5 Pipa

1. Por do sol em Tibau do Sul 2. Trilha para Baía dos Golfinhos 3. Praia do Madero 4. Praia do Amor 5. Tirar uma selfie no Chapadão

Praia do Amor

Chapadão de Pipa

Recanto da Sophie Guesthouse

Praia do Madeiro

Baía dos Golfinhos

Jaqueta Riachuelo - soube que está na promoção por menos de R$ 50!

A Arte de Viajar pelo Brasil: T-shirts e Bermudas

T-SHIRTS AND SHORTS: NEW COLLECTION!

Explosão de cores, fauna e flora na coleção ‘A Arte de Viajar pelo Brasil’ – as peças chegaram hoje na loja virtual e na Dona Coisa, no Rio de Janeiro.

Tô muito feliz em ter como parceira a comunidade de viajantes AirBnB, um dos meus sites preferidos do mundo inteiro – quem gosta de viajar sabe muito bem do que estou falando e já deve ter lido alguns reviews meus aqui pelo blog. Clientes desta coleção recebem junto com seus produtos um tag exclusivo da parceria Brazinho & AirBnB com um desconto para a sua próxima viagem. Pra você mesmo descobrir a arte de viajar pelo Brasil.

As estampas foram criadas em parceria com o Estúdio Farândola, assim como na coleção ‘Mundo’, a minha primeira de todas. Aproveitem: são poucas quantidades, como sempre, super exclusivas.

Região Norte | Branca

Região Norte | Verde

Região Norte | Branca

Região Norte | Gola

Região Nordeste

Região Centro-Oeste

Região Sudeste

Visite a loja virtual – clique aqui!

Fotos Raul Aragão | Arte West Pereira

English

An explosion of colors, flora and fauna in my new collection “The Art of Travel in Brazil” – clothes are available now in the Brazilian virtual store and at Rio de Janeiro store Dona Coisa..

I am so happy to have as a partner the AirBnB community, one of my favorite websites ever – who likes to travel knows what I’m talking about and must have ready some reviews here in my blog. Every one that buys any piece in this collection will recieve a special tag with a discount valid for your next AirBnB reservation. Make sure you find out yourself everything about the ‘Art of Travel in Brazil’

Vale do Silício 2014: turnê com o Templo Coworking!

Quem me acompanha no Instagr.am percebeu que algumas semanas atrás estive no Vale do Silício em uma ‘excursão empreendora’. Por que exatamente? Vamos lá: existe um lugar no Rio de Janeiro chamado Templo Co-Working onde se desenvolve uma comunidade empreendedora. Você pode alugar uma ‘baia’ ou até uma sala e tocar o seu negócio em um espaço coletivo, trocando com os amigos da mesa ao lado, desenvolvendo projetos em parceria, fazendo cursos por lá mesmo, enfim. É um lance muito legal pra quem tá começando a abrir seu negócio (eu!). Ainda não consegui colocar a minha empresa no Templo, mas quando soube da excursão pelo Vale, não hesitei – já estaria na Califórnia e sempre tive curiosidade e um fetiche nerd pelo ‘ecossistema siliciano’.

 

Visitando os headquarters do Google – bicicletas, open salad bar, sinuca, e muita tecnologia

Pois é, o Vale do Silício é considerado mesmo um outro ecossistema. É tão animador (e frustrante ao mesmo tempo, comparando com a realidade brasileira) ver toda aquela gente criando soluções – não só em tecnologia – há em abundância capital humano, capital financeiro, tudo o que alguém criativo gostaria de ter ao seu dispor quando o assunto é empreender. Na viagem, fizemos visitas a algumas empresas como Google, AirBnb, Evernote, líderes em seus segmentos, e uma universidade de ponta como Stanford, para fazer um pequeno workshop. Juntando todas estas peças, deu para sair bem inspirado, e por mais que voltar para o Brasil pareça retornar em uma máquina do tempo por 50 anos, há muitas oportunidades por aqui. Foco, perserverança e um pouco de ousadia.

 

Com Luiza Sobral, em San Francisco, após visita à Pereira O’Dell

1. Negócios com missão e propósito

Você é encorajado a sonhar o mais alto possível. A missão do seu negócio às vezes pode ser mais importante do que o seu próprio produto. Não basta criar um novo fone de ouvido – a sua empresa precisa ter uma razão forte para existir – como mudar o mundo, melhorar a vida do vizinho, acabar com a poluição sonora. Estas missões se transformam em mantras de cultura organizacional, e contagiam todos os funcionários. Parece loucura, mas funciona.

Evernote, uma das empresas mais legais. Quem diria que um ‘bloco de notas’ poderia se transformar nisso tudo?

2. Dominar o mundo é uma questão de escolha, sonhe alto.

Em um certo encontro fomos questionados – diga cinco marcas brasileiras que tem presença global, de verdade? Não uma marca que tem uma loja em NY e uma em Paris. Empresas que realmente atingem o mundo inteiro? Aqui no Brasil, quando empreendemos, pensamos 99% das vezes no mercado brasileiro. Sim, há 200+ milhões de habitantes aqui. Mas por que não trabalhar pensando em 6 bilhões? No Vale, os sonhos estão nas alturas.

 

Draper University, uma faculdade estilo-Harry-Potter com foco em empreendedorismo. Há cursos de curta de duração!

3. Ajude o coleguinha.

Difícil de ver aqui no Brasil novos empreendedores simplesmente ‘trocando ideias’. As pessoas se seguram às suas ideias como se elas fossem a maior coisa que pudessem inventar – enquanto na verdade, o segredo está em uma boa ideia (claro) + timing (estar na hora certa, no lugar certo) + execução (fazer bem feito, tirar o projeto do papel). Muitas vezes, é conversando com o máximo de pessoas que você irá testar a sua ideia, prever problemas. Precisamos perder o medo de compartilhar as ideias, e se disponibilizar mais para ouvir as do vizinho.

No salão de projeções do AirBnB – a minha start-up preferida – em San Francisco

4. Falhar é normal.

A gente sabe muito bem que a vida é feita de erros e acertos, embora a gente batalhe para sempre acertar. No Vale, se você quebrou uma empresa, ou se ela simplesmente não decolou, ninguém te execra, deixa de te ouvir, ou perde crédito. O volume de criações é tão grande que às vezes a sua ideia simplesmente não era boa o suficiente –  motivo para você se reestruturar e melhorar o conceito, ou a execução, e tentar de novo. Esta foi uma das minhas principais revelações por lá. Só acerta mesmo quem tenta. Se falhar, dane-se, tentaremos quantas vezes forem necessárias.

Visitando Stanford, uma das mais importantes universidades americanas. 

Vai viajar? Descubra o AirBnB!

English version available, just click!

Viajante, atenção! Na sua próxima viagem, por favor experimente o AirBnB – é um site ‘de classificados’ de moradias pelo mundo inteiro, ou seja, vai te permitir ter uma casinha, ou um quarto em qualquer lugar desse planeta. Sabe aquela história de que é muito mais legal ficar na casa de alguém gente boa quando você tá viajando do que em um hotel com cheiro de mofo e gente esquisita?

Pronto, chegou a solução: você pode escolher entre dividir um quarto com alguém, alugar um quarto só para você, ou alugar um apartamento só para você.  Cada morador ou cada apartamento tem suas regras, a graça do AirBNB é que ele ainda não orkutizou, então a maioria das pessoas que fazem parte da rede estão genuinamente interessadas em trocar experiências culturais, em serem bons anfitriões e hóspedes.  A impressão que dá é de ser ocupado por uma galera jovem (early adopters) que faz isso para ganhar um trocado (claro) e se divertir.

Neste último giro pelos EUA e Vancouver eu testei o AirBNB em duas situações: em Toronto, onde fiquei na casa de um canadense, e em San Francisco, onde aluguei um apartamento! Como funcionou:

Eu não conhecia nada em Toronto então acabei escolhendo a casa do Ricky Kruger, porque ele tinha boas reviews. (se tiver boas recomendações, siga em frente!). Viajando sozinho, eu queria poder ficar com alguém que me desse umas dicas boas da cidade, e ter um pouco de companhia. Ele mora em um cottage lindo em uma área residencial da cidade, com o terraço mais agradável dessa vida, todo aquele cenário de verão Canadá (pense em esquilos, árvores, almofadas)

Ele não estava em casa para me receber e me enviou uma mensagem por e-mail (I will leave the back door open). COMO ASSIM? Deixar a porta aberta para um estranho? Pois é galera, Canadá é Canadá. Primeiro mundo.

Chego na casa dele, a porta estava aberta com um bilhete para eu cozinhar o que quiser e ‘make myself at home‘. Ele chega todo animado, me leva para um parque com a melhor vista de Toronto, no dia seguinte dá uma volta comigo pelo bairro, me explica tudo direitinho, e pronto: eu saio para trabalhar, e ele para fazer as coisas dele. Fiquei só dois dias, no último dia, a gente não conseguiu se despedir, ele não dormiu em casa. Eu fiquei só, fui embora, e deixei a chave sobre a mesa. 100% confiança.

Em San Fran eu encontrei o Daniel Molina, um amigo que mora lá nos EUA, a gente resolveu alugar um apartamento. Encontrei o cottage do David pelo AirBnB pela bagatela de US$ 122 por dia – um quarto-sala todo equipado e aconchegante, reformadinho, perfeito. Queria morar lá para sempre.

A localização era excelente, a duas quadras da principal rua do bairro Castro, perto das linhas de ônibus, restaurantes, baladas, e etc. Fiz a reserva online, combinamos um horário de chegada, e ele me entregou as chaves, de maneira bem simples. Na saída, era só deixar as chaves na mailbox, e resolvido. No AirBnB você paga tudo antecipado, então não tem stress, e faz tudo na base da confiança.

E mais uma vez, dei sorte, com um jardim incrível na porta de casa!

PARTE CHATA: Antes de eu alugar a casa do David em San Francisco, eu tinha entrado em contato com uma garota que alugava um outro apartamento muito bonitinho. Ficamos conversando por dias, nos apresentando, e na véspera da viagem ela me envia uma mensagem falando que no meu perfil pessoal tinha escrito que ‘eu gostava de festas‘ e que ela não queria mais alugar a casa para mim.

Ela obviamente ficou com medo de que eu quebrasse a casa inteira, eu fiquei muito p. da vida e mandei uma mensagem esculachando a mulher. Ela nunca tinha alugado a casa, entendo até a preocupação, mas assumir que eu sou um vândalo em potencial é demais, né? No seu perfil ela diz que adora fazer jantares com amigos. Na minha terra isso se chama festa também.

Não tive nenhum prejuízo financeiro, só perdi um bom tempo. Moral da história: nem todo mundo é maravilhoso como o Ricky, ou o David. Deve ter umas roubadas por aí, umas pessoas chatas, metódicas, esquisitas. A dica para evitar essas coisas é procurar alguém jovem, que geralmente tem menos frescura, e que já tenha algumas recomendações no perfil!