Sete dicas para um 2012 maravilhoso

Ainda faltam 15 dias para o final do ano, mas já estou de férias, como vocês devem estar vendo, e volto no começo de Janeiro da Ásia, direto para o Fashion Rio. Ao invés de fazer um wishlist de Natal – que na realidade eu acho uma palhaçada de blogueiro que quer dar uma deixa para as marcas dos presentes que gostaria de ganhar – eu queria dar umas ‘dicas’ para um 2012 pra lá de maravilhoso pra todos vocês. Ainda vou fazer um post de retrospectiva do ano, então esse daqui é só um teaser.

01 – Não tenha medo de ousar Olha, parece um mega cliché, mas eu preciso reconhecer uma coisa: depois que eu fiz a Tarsila Marinho, minha vida mudou bastante. Pelo menos na minha cabeça, eu passei de um iniciante a um apresentador do GNT, de facto. E eu reconheço parte desse crédito a esse personagem, que me abriu as portas. No começo eu relutei em fazer a Tarsila, porque eu mesmo tinha preconceito em me vestir de mulher, tinha medo de ficar estigmatizado e fazer toda essa esquizofrenia deliciosa que é a Tarsi. Mas arrisquei e deu certo.

Também teve o episódio do vídeo Recife: a maior cidade pequena do mundo, que era um assunto que eu queria abordar há muito tempo, mas tinha medo do bullying pernambucano. Acabou que o vídeo já passou de 50 mil views. No fundo a gente precisa fazer algo ousado e que chame atenção para se destacar no meio de tanta informação.

02 – Comece a falar “eu te amo” para seus pais Não dizer “eu te amo” para a sua família é o novo “me deixa na esquina na escola”. Eu fico chocado com quem tem vergonha dos pais, ou até mesmo maltrata. À medida que a gente vai ficando mais velho, dá pra perceber que isso é uma idiotice, mas ainda tem gente que faz. É o tipo de pendência que você precisa resolver.

Eu não sou a Thalita Rebouças, mas o mínimo que eu posso dizer é que à medida que você amadurece, e perde o preconceito com a sua família, a sua vida faz um pouco mais de sentido. Amigo a gente tem um monte por aí, faz um por semana, mas pai e mãe é sagrado. Foda-se que seus pais te fazem vergonha de vez em quando, aprenda a rir disso. E eles amam escutar isso que você é louco por eles, pode ter certeza.

03 – Compre mais revistas Eu voltei a comprar e assinar revistas em 2011. Nesse debate cansado de jornais vs. portais, revistas vs. blogs, eu acabei chegando à conclusão que tem mesmo espaço pra tudo, mas a diferença mesmo está no tom mais crítico e especializado que as revistas tem, e você não deve abrir mão disso. Não adianta você comprar uma revista que só dá dicas de compras, a não ser que você realmente seja meio loser.

Atualmente eu assino a i-D, que é mais ligada a moda, cultura e arte, e tem as melhores entrevistas e editoriais, e a Monocle, uma revista inglesa incrível que se intitula “A Briefing on Global Affairs, Business, Culture and Design”. É bem impressionante. Deixem de comprar um sapato, mas façam a assinatura dessa bíblia pós-moderna.

04 – A expectativa é a mãe da merda. Em 2011, eu vivi uma experiência péssima que misturou dinheiro, trabalho, amizade e expectativa. Tem gente que simplesmente não suporta ver você crescer, mesmo que seja junto. Eu nunca fico triste, geralmente eu fico puto da vida, o que é mais efêmero. Mas dessa vez eu fiquei bem triste, e ainda estou chateado com isso. Criei expectativa, como pisciano que sou, e terminei arrasado.

Todos nós passamos e vamos passar por isso algum dia.  Agora eu tenho sonhado menos, e não tenho mais nutrido expectativas em projetos mirabolantes. Só pra me machucar menos. Se a pessoa já começar a não atender telefone, responder e-mail, todas essas palhaçadas, mude de time.

05 – Menos ideias, faça uma bem feita. Criativos dese Brasil, a gente tem uma ideia incrível por semana né? Só que nenhum ser humano consegue realizar tudo isso. O meu sonho de vida é ter menos ideias e conseguir realizar apenas as boas, aprender a criar um filtro do que é bom de verdade e do que é ilusão. Até porque ideia só tem valor ou relevância quando é feita – e tem outra coisa, ideia é de quem faz, viu? Não adianta você ter mil ideias por aí e todas as outras pessoas estarem fazendo na sua frente.

06 – O dono do seu coração tem que ser você. Maior lição de 2011. Ninguém pode te manipular, ninguém pode te maltratar, você não pode se sabotar. É muito melhor estar sozinho do que ter alguém que te quer de vez em quando. Não trate como Grammy quem te trata como Troféu Imprensa. E tem que entender quando a outra pessoa também não está a fim, por que não?

A minha maneira de lidar é meio radical, mas funciona pra mim: bloqueio em tudo. Facebook, Twitter, Instragr.am, e até no Whatsapp. Porque quando se torna um pouco obsessivo, não é amor, é desejo. Aprenda a diferenciar desejo de amor. O desejo é mais canibalesco, você quer consumir a outra pessoa. A internet só atrapalha nesse processo, porque te deixa vulnerável, sempre acessível, é um inferno. Bloquear não significa que você odeia aquele ser humano. Apenas que você gosta mais de você, o que deve sempre ser uma máxima. Depois você desbloqueia, se ele vier com frescura, beijo e tchau.

07 – Ex bom é ex melhor amigo. Você acabou o namoro e odeia mortalmente o seu ex. Você fala mal dele pra todos os seus amigos, e isso é normal, porque você tem o direito: são os seus amigos, e você tá puto da vida, e ele deve estar fazendo o mesmo. Se ele vem com aquele papo de querer ficar amigo logo depois, é porque nunca gostou de você, pode ter certeza, então vale um gelo pra aprender que você não é um idiota.

Mas depois de um tempão, a gente precisa ficar amigo. Lave a roupa suja e levante a bandeira branca. É um desperdício cancelar um ex da sua vida. Quantas coisas vocês fizeram juntos, compartilharam meses/anos de intimidade, pra jogar tudo isso fora. Tem que ficar best mesmo, e se ajudar pra sempre. A não ser que você seja meio biscate e tenha um ex por mês, aí fica díficil.

Vem logo, 2012.

Comments