11 dicas para uma viagem inesquecível em Amsterdã


A Holanda é um país ainda desconhecido da maioria dos brasileiros. Sim, nós temos um voo direto operado pela KLM desde 1946 com frequências entre São Paulo e Rio de Janeiro para a capital Amsterdã (ou Amesterdão, como diriam os portugueses), mas quantas pessoas você realmente conhece que circularam pelo país e conhecem bem a Holanda?

Preciso confessar o quanto fiquei fascinado com a Holanda vista mais de perto e com calma. Estive lá a primeira vez em um mochilão aos 23 anos, em 2009. Fiquei apenas dois dias e não consegui fazer muita coisa além dos coffee shops, embora me lembre nitidamente da experiência de ficar muito chapado na casa de Anne Frank e ter sido inesquecível. Mas a Holanda vai bem além das garotas de programa, dos coffee shops e dos shows de sexo do Red Light District. Muito além.

O idioma holandês nem de longe é um problema, visto que a grande maioria dos holandeses fala inglês. Este dado é chocante, e ao mesmo tempo explica muito sobre a cultura holandesa. Os holandeses são os pais do neoliberalismo. Eles inventaram o comércio internacional e são super workaholics. Significa que eles fazem de tudo para facilitar o fluxo de dinheiro, seja desde um cafezinho até um container de exportação. Falar inglês é uma necessidade de sobrevivência para um país cuja língua-mãe é dominada por apenas poucas pessoas, em uma posição tão estratégica. Como bom estudante de idiomas que sou, fiquei louco para aprender.

A sensação que eu tive é que Amsterdã é a nova cidade perfeita da Europa para turismo. Na capital holandesa, esta pressão turismofóbica se descomprime com leveza e uma melhor recepção aos turistas. Entre a aspereza do serviço parisiense e a loucura veloz e apocalíptica de Londres, Amsterdã se situa como uma cidade que tem tudo o que você precisa: excelentes lojas, noitadas, parques, museus, e a proximidade das demais capitais, que estão a apenas 2-3h de trem, em média.

Fica a dica para quem está querendo visitar a Europa e quer fugir dos lugares mais batidos como Londres, Paris, Barcelona ou Roma, hoje mais saturadas do turismo.

Parques

A cidade tem vários parques incríveis, em dias de sol, o Oosterpark e o Willemspark são imbatíveis para curtir como os holandeses. Pegue sua bike, ache seu cantinho no gramado e faça o seu picnic com toda a tranquilidade do mundo. Viajei no outono e o cenário é mesmo um sonho, com as folhas acobreadas e avermelhadas pelo gramado. Paisagem raríssima para nós, brasileiros.

Albert-Heijn Supermarket

O supermercado Albert-Heijn é uma instituição holandesa! Ele está por todas as partes da cidade e para mim que sempre gostei de comida on-the-go (não à toa apresento um programa sobre marmitas, né, risos) virou meu lugar preferido para comer. Frutas, queijos, jamones ibéricos, sushis, antepastos, pães, saladas, sopas, sucos, tudo embalado individualmente, cortadinho, higienizado, pronto para comer. É o sonho de qualquer pessoa que viaja, ou mesmo mora só e tem preguiça de cozinhar. Fui todos os dias e sempre passava lá antes de qualquer picnic. Preços excelentes.



Museus

Amsterdã tem mais de 50 museus! No fim das contas, acabei indo apenas em um pequeno museu chamado Moco, na Museumsplein, esplanada onde ficam situados o Rijksmuseum, o “Louvre” da Holanda, e o Stedelijk Museum, o museu de arte contemporânea da cidade. Fui no Moco principalmente porque havia uma exposição de Bansky, quem eu adoro.

Este lance de ver museus é sempre uma contradição: não consigo ver mais do que um ou dois por dia, para poder decantar a arte com um pouco mais de calma. A minha lista de museus que eu não gostaria de ter deixado de ir, e que ficam mercadinhos para a próxima viagem: Van Gogh, Rijks, Stedelijk, Eye Museum, etc. Como eu já senti que me apaixonei pela cidade, vou querer voltar a Amsterdã várias vezes e posso vê-los no futuro! Lembrem-se: turismo é para se divertir e se inspirar, e não sair que nem um louco marcando check numa listinha de que foi lá e fez.

Daily Paper

Provavelmente a marca mais cool de streetwear de Amsterdã, para quem gosta de roupas com essa pegada meio skate/street urbana. Design minimal, excelentes formas, fotos de campanhas maravilhosas, lojas bacanas e staff lindo. Adorei ter descoberto essa crew, comprei uma camiseta e pochete.

Nine Streets

Sabemos que os brasileiros tem taquicardia quando chegam de uma H&M porque encontram tanta roupa barata num lugar só, mas é muito interessante ver a cena mais autoral de design holandesa. Há muitas marcas de produtos de design que vão além das roupas, como móveis, sapatos, objetos de decoração e a maioria delas se situa na região de compras da Nine Street, na região dos canais. Vale à pena conhecer.

De Pijp

Um casal de amigos meus atualmente mora em Amsterdã e nos últimos dias da viagem fiquei na casa deles no charmosíssimo bairro De Pijp (lê se Dê Páipe). É um bairro que está a 10 minutos dos canais de bicicleta, mas tem todo o charme e a tranquilidade de uma Amsterdã mais residencial e um pouco menos barulhenta. Acho uma dica muito boa de localização para quem curte mais AirBnBs do que hotéis. Ficar no Red Light District não é legal.

Coffee-Shops

Sim, a maconha é descriminalizada em Amsterdã e você pode comprar até 5 gramas da erva para fumar nos coffeeshops ou em casa. Fumar na rua é ilegal, embora vez por outra você sinta o cheiro de maconha na rua e não veja repressão policial acontecendo por isso.

O Coffee Shop mais famoso é o Bulldog, que tem quatro unidades na rua mais movimentada dos canais do Red Light District. É um ponto turístico obrigatório, mas há outros mais legais, como o Bagheera, em estilo neo-raver, e o BlueBird, que tem um astral bacana.

A maconha é muito mais forte e pura do que a que se consome no Brasil, comece devagar com variedades de sativa, que te deixam mais animado. O tipo indica é para quem é mais experiente e quer uma onda mais introspectiva.

Nos coffee shops não se bebe álcool: tome café, chá, água, refrigerante, e brise muito.

Amsterdam Dance Event

O AME (Amsterdam Dance Event) é um super festival de música que acontece em Outubro e durante todos os anos a cidade se transforma para receber artistas do mundo inteiro. A vibe é fantástica, os line-ups absurdos, os clubes enormes e cheios de pistas não-convencionais, iluminações malucas, soundsystems poderosos, enfim. AMS é uma das mecas mundiais da música eletrônica, fiquei de coração partido por não poder ficar mais tempo. Espero voltar na próxima!

Volkshotel

Muito bom, muito bonito e preço muito justo. O VolksHotel foi uma grande surpresa da viagem para mim. Imagine um prédio de oito andares com boate, café, coworking, restaurantes (no plural), ioga, rooftop, sauna, tudo com o design mais absurdo e milimetricamente conceitual.

O Volks é também divertido – o staff muito alegre e simpático faz a diferença, o café da manhã é um banquete, e os quartos são sensacionais. O meu tinha um telão enorme com Netflix, Chromecast, Youtube e tudo mais que um millenial pode desejar. Era tão bom que às vezes dava raiva de ter que sair pra rua. Um perigo. As diárias custam em média 90-100 euros.

Norte de Amsterdã

O Norte de Amsterdã é a ‘nova fronteira’ da cidade, um fenômeno tal qual o Brooklyn representou em Nova Iorque alguns anos atrás. A região é ligada ao centro de Amsterdã por um ferry boat gratuito que funciona 24 horas e liga as regiões em poucos minutos. Bicicletas são permitidas no ferry, é claro.

Lá no Norte descobri um dos lugares mais bacanas da cidade, o FC Hyena. Restaurante delicioso num armazém onde também funcionam duas salas de cinema com ótima programação. Lugar frequentado por millenials criativos, super ligados em moda, cultura, arte. Fiquei apaixonado por esse lugar, se morasse em AMS iria frequentar sempre. Quero voltar!

Alugar uma bicicleta

O metrô de Amsterdã funciona bem, os trams também, mas realmente não há comparação entre transitar de bicicleta como um bom amsterdamer. As ciclovias tem faixa dupla de ida e volta, a cidade é completamente organizada para o trânsito de bicicletas, a grande maioria do território é de planície, pedalar é seguro, prático, um bom exercício e é muito mais rápido do que ficar esperando o trem chegar.

O lado negativo é que não é muito barato: as locadoras de bicicleta se aproveitam um pouco do fato da cidade ser tão bicicletável e cobram em média 17 euros por dia para alugar um bike. Achei caro. Mas valeu cada centavo, acreditem.

Detox no Sul da Índia: tudo sobre o Panchakarma!


Sorriso durante o quarto dia de Panchakarma, um dos dias que me senti mais leve em toda minha vida.

Por que fazer um retiro de desintoxicação?

Neste post descrevo com detalhes a minha experiência vivida em Setembro/Outubro de 2017 em um centro de medicina ayurvédica localizado na região do Kerala, no Sul da Índia. O ayurveda é uma tradição indiana que hoje se populariza pelo mundo como um caminho terapêutico holístico para encontrar o equilíbrio corporal e mental.

O outro, sempre ele. O outro não sou eu, nem você que está lendo. O outro é a terceira pessoa que está oculta nesta conversa. É a pessoa em quem inconscientemente eu quero chegar o tempo inteiro. Você também pensa nesse outrem. É a pessoa para quem você vai falar bem ou mal deste post. É a pessoa que você vai taguear nos meus posts e fazer com que minha mensagem circule mais, e mais.

Minha exigência com o outro parte desta necessidade inexplicável de ser admirado, querido, aceito. Tudo isso parece normal, mas temos algo que potencializa a presença do outro nas nossas vidas: smartphones, redes sociais e vidas inteiras financeiras e profissionais baseadas neste mundo virtual.

O superego construído a base de likes, comentários e afagos virtuais. Se me serve de consolo, eu sei que não sou o único que se sente pressionado pelas redes sociais. Sei mesmo até que devo oprimir muita gente — a linha entre opressão é inspiração é bem tênue. A internet amalgamou a inveja, potencializou os ególatras e produziu ansiosos em massa.

Trabalhar o tempo inteiro, sem parar, faz muito mal à saúde. A cabeça a mil, a vontade de criar impacto, tudo isso nos move, mas nos distancia da nossa essência. E obviamente, a pressão por viver ‘todos os dias como se não houvesse o amanhã‘ apenas amplifica o desamparo. Então eu levei o work hard, play harder bem à sério, para também desafogar a intensidade da minha vida profissional.

Eu não conseguia perceber o quanto este estilo de vida alimentado por jobs, hashtags, celebridades e muito fervo me faziam mal até não conseguir curar gripes, sinusites, dores de garganta, dores musculares, torcicolos. Tudo foi se somando, e eu comecei a me fragilizar cada vez mais. Minhas mãos e pés formigavam. Eu não conseguia respirar direito, pensar direito, dormir direito. Ansiedade.

Eu não conseguia encontrar a resposta em nenhum dos clínicos gerais, otorrinos, e psicoterapeutas que eu frequentei nos últimos meses. Não existe diagnóstico ou tratamento para uma pessoa que não para, não desliga, não descansa. Eles me medicavam, eu voltava sentindo as mesmas coisas, eles me perguntavam: você fez repouso? Eu sorria, de nervoso.

Eu decidi tirar um tempo. E parar é a palavra mais assustadora que você pode sugerir a um millenial, porque na sociedade da velocidade e da informação-capitalismo, um parado é um improdutivo, um ineficiente, um reles? Paro, logo inexisto.

Mas eu não poderia mais empurrar a minha existência em nome do próximo trabalho, da próxima parceria, do próximo rolê, porque meu corpo e minha mente cansaram do outro. É hora de entender ‘o que porra estou fazendo aqui’. Nós mesmos estamos nos acabando para impressionar o outro.

Decidi radicalizar. Resolvi fazer um retiro de ayurveda. Comprei a passagem e estou, neste momento, sobrevoando o Atlântico a caminho de Paris, em seguida Bombaim, e por fim Trinvandrum, aeroporto de entrada para a região de Querala, no Sul da Índia, onde nasceu o ayurveda.

A CAMINHO DAS ÍNDIAS

Aeroporto de Mumbai. Foto Robert Polidori
Mumbai (Bombaim) é uma das principais cidades indianas, junto com Nova Delhi, cada uma com 20 milhões de habitantes. A cidade sofrera um dilúvio por dois dias inteiros, o que criou um verdadeiro caos no aeroporto. Do pouso até o portão de desembarque, levamos duas horas esperando por uma vaga para estacionar. Pus-me a conversar com os vizinhos de fileira: um editor de uma revista sobre granjas (nunca soube na minha vida que existia este mercado editorial), e um pastor cristão que acabara de vir da comemoração dos 500 anos da Reforma Protestante, na Alemanha.

Contei-lhes o objetivo da minha missão na Índia e receberam o tema, para minha surpresa, com muita familiaridade. Falaram maravilhas do ayurveda, inclusive que a irmã de um deles tinha se curado de um problema de coluna após passar um mês em um centro de tratamento na mesma região onde eu me destinava, o Querala, e que meu prognóstico era muito bom: eu sairia de lá um novo homem.

Papo vai, papo vem, falo da minha profissão, da correria, pressão, do momento louco que o Brasil vive, e o pastor começa um lindo sermão, dizendo que esta minha aventura pela Índia era necessária para que eu voltasse a ser uma pessoa mais humilde e me colocasse diante do mundo como apenas mais um dentre bilhões de pessoas. Parecia Vivaldi nos meus ouvidos, tudo o que eu queria ouvir, que carinho.

Seguimos o textão, quando ele me diz que meditação, yoga, ayurveda, todas essas coisas são muito boas, mas são temporárias. O que realmente deixa um homem feliz é Jesus Cristo dentro do coração. Conseguimos um finger para desembarcar. Na hora certa. Amém.

Eu simplesmente decidi que queria fazer um detox ayurvédico porque era a única maneira que eu conseguiria parar de verdade e me reorganizar. Sim, é claro que eu poderia ter feito um detox no Rio, na minha casa, com algum acompanhamento médico, mas a tentação em casa é muito grande. Acho que o grande aprendizado desta vivência vai ser a resignação de tudo: do álcool, das festas, do chocolate, da velocidade. Aqui não tem socialzinha com os amigos, não tem açaí na esquina, não tem choppinho no Baixo Gávea pra dar uma relaxada.


Comecei a procurar no Google lugares onde poderia fazer esta vivência e descobri que os melhores lugares do mundo estão aqui no Kerala, região onde nasceu o Ayurveda. Há resorts chiquérrimos com vista pro mar, há lugares super simples, há lugares medianos, e há hospitais ayurvédicos. Como eu não tenho nenhuma condição grave de saúde, como uma doença auto-imune por exemplo, passei longe do hospital. Há muitas pessoas com doenças graves que decidem se tratar em hospitais ayurvédicos na Índia com sucesso: um exemplo que ficou conhecido no Brasil foi o de Laura Pires, diagnosticada com esclerose múltipla. Quando voltou, Laura publicou vários livros, entre eles ’Nutrindo Seus Sentidos’, um best-seller.


Optei por um lugar de preço e luxo medianos, que cabiam no meu bolso sem agredir. Escolhi o Athreya Ayurvedic Resort. Em tempos de Black Mirror, este lugar valia 5 estrelas, de um total de 5 no TripAdvisor. Acho importante falar isto porque este dia realmente chegou, em que estamos baseando nossas escolhas através do ranking virtual. Restaurantes, hotéis, companhias aéreas, cursos, crushes, e por que não, retiros? Vários amigos me criticaram por entrar em uma “aventura” sem calcular os riscos reais, sem referências, sem alguém conhecido. Mas quantas pessoas vocês conhecem que foi a Índia para um retiro detox ayurveda? Confiei nos ratings, e cá estou.

Fui levado ao meu quarto, que me surpreendeu pela amplitude e conforto: cama de casal, ar condicionado, banheiro próprio, varandinha particular com vista para o rio. Ótimo para ficar quinze dias, tinha até ar-condicionado, que eu jamais liguei.


O processo começou antes mesmo de sair do Brasil, quando enviei um e-mail para o Athreya e recebi uma resposta do Dr. Srjit, responsável pelo centro aqui na Índia. Ele envia um questionário enorme para que a gente preencha detalhes sobre a nossa saúde, e entra em contato alguns dias depois via Whatsapp com um diagnóstico, previsão de cura e mais detalhes. Ayurveda moderninha, né? Quando cheguei no retiro, era como se a gente já se conhecesse. Eu não me apaixonei por ele à primeira vista, mas depois entendi que ele é um sujeito sábio.

O RESUMÃO DO AYURVEDA

Eu não sou um especialista no assunto, então não me sinto à vontade de discorrer sobre o ayurveda como se fosse um tema do meu domínio – indico o livro Ayurveda: saúde e longevidade na tradição milenar da Índia, do Dr. Danilo as como praticante, posso fazer um resumo. Ayurveda é uma junção de duas palavras em sânscrito: ayus, significa vida, e veda significa ciência, ou conhecimento. A vida é encarada com uma definição complexa que combina o corpo, sentidos, mente e o espirito. A boa saúde é a combinação dos nossos aspectos vitais, além do equilíbrio físico, inclui a harmonia mental, espiritual e emocional. Parece óbvio, mas a classe médica científica raramente consegue nos enxergar desta forma.


O objetivo do Ayurveda é preservar e lapidar a saúde das pessoas saudáveis, prevenir as doenças, e harmonizar as pessoas enfermas. Simples assim. Associa-se muito também o ayurveda ao rejuvenescimento, significa, um corpo em harmonia adoece menos e por isso mantém-se mais saudável.

PANCHAKARMA

O processo de desintoxicação ayurvédica tem nome e tradição: panchakarma. O panchakarma é um ritual milenar ao qual qualquer pessoa pode se submeter, com o objetivo de melhor a saúde a qualquer grau. Pode ser curativo, rejuvenescedor, como você e o seu médico designarem. Totalmente diferente da cultura do ‘suco detox’ que a gente tem no Brasil, um bom panchakarme é coisa séria e demora pelo menos duas semanas para ser feito com sucesso. Panchakarma não é comer saladinha e cortar o refrigerante, como as revistas de fitness no Brasil insistem em nos convencer do que deveria ser um ritual de desintoxicação.


Assim que você chega no Athreya,vai direto para o centro de tratamento receber uma massagem abdominal bem vigorosa, seguida de uma massagem no pescoço e cabeça e um banho de ervas. A massagem abdominal se repete por vários dias durante o tratamento, explico o porquê: a maioria das nossas toxinas se acumula na região do estômago e dos intestinos. Dependendo do seu dosha em desequilíbrio (kapha, pista ou vata), cada uma das áreas fica mais vulnerável: estômago para kapha, intestino delgado para pitta e intestino grosso para vata. A massagem é mesmo para fazer com que essas toxinas ‘descolem’ das paredes dos órgãos e possam ser eliminadas.

Dia 01

Depois de quase 48 horas de viagem, eu lembro que cheguei exausto e um pouco tonto no centro. A chegada foi por volta das 16h, onde recebi a massagem abdominal, massagem muscular na área do pescoço e costas e o meu primeiro shirodara, um banho de coalhada na testa, muito recomendado para quem tem pitta agravado. É uma terapia recomendada para casos de ansiedade, raiva, agitação. Terminamos com um banho de água quente e ervas por todo o corpo, para relaxar o corpo. Aliás, água quente é algo muito subestimado por nós porque vivemos num país super quente, mas só quem tem dores musculares sabe o poder de cura que a água quente tem.


Sala de tratamentos do ayurveda com maca de madeira. Frequentei esta sala durante todos os dias do detox, mais de uma vez por dia.

Dia 02

O vamana era o procedimento que eu mais temia porque todas as memórias que tenho de vômito são de cachaças muito mal tomadas ou de comidas horríveis que passei mal algum dia. Mas se revelou incrivelmente simples, na verdade. Preparam uma bacia (mesmo, enorme) com uma mistura de ervas e te dão um copo. Você enche o copo e toma repetidas vezes esta mistura até vomitar. Vomitei seis vezes. Esta terapia auxilia a limpar o estômago, o primeiro lugar por onde passa a desintoxicação. Neste dia li um livro de Gandhi, com muitos ensinamentos sobre o poder da religião, o que me estimulou a rezar o tempo inteiro sempre que algo me afligisse ou me entediasse. Uma boa lição inicial: se reconectar com o divino.

Dia 03

Importante dizer que nos primeiros dias, você come a mesma refeição no café da manhã, almoço e jantar: feijões verdes (calma, não é igual o nordestino), buttermilk curry e kanji. A princípio é até gostosinho, mas a partir da quinta vez eu já estava muito mal-humorado. Resistência.

É dia de virechana, ou terapia de purgação, ao tomar uma mistura de mel e ervas o efeito é drástico: diarreia. Fisicamente foi o pior dia das terapias, me senti muito fraco, cheguei a ir ao banheiro vinte vezes. A purgação limpa além do intestino delgado, o fígado e pâncreas. Faz todo sentido depois de tantos anos de farra este ser o dia mais vulnerável, risos. Praticamente não comi o dia inteiro, porque não aguentava mais repetir a refeição-padrão, e tive muito desejo de comida não-Indiana: açaí, batata frita, feijoada, galeto, peixe na brasa, e muito chocolate. Foi bom para refletir como sou viciado em doces, algo que não tinha percebido em mim até então.


O dia-a-dia simples da alimentação ayurvédica

Dia 04

Um dos melhores dias do tratamento. Me senti cheio de vida, leve, sorridente, com a pele bonita, os olhos brilhantes e o sorriso incrivelmente claro. Parecia que tinha passado por um dentista. Meus olhos tinham muito brilho. Resolvi postar essa foto no Instagram. Recebi muito carinho, mas depois me arrependi da exposição. Decidi não postar mais fotos minhas durante o panchakarma e fechar este canal energético até sair daqui efetivamente. Comecei a ler Dias Bárbaros, vencedor do prêmio Pulitzer de Melhor Biografia. Super livro, especialmente para alguém que gostaria de escrever algum dia, como eu.

Dia de enema, onde introduzem por via retal uma decocção de ervas para limpeza do intestino grosso, para acalmar o dosha vata, em desequilíbrio no meu corpo por causa da minha velocidade excessiva. Mais massagens, aliás, o médico ayurveda explicou que todas as massagens, além de relaxarem o corpo, servem para ‘derreter’ as toxinas, liquefazê-las, levando-as para o intestino, o caminho de saída. O intestino é também o órgão responsável pelo controle da imunidade.


Os horários das refeições. Perdeu o horário, fica com (mais) fome (ainda).

Dia 05

Um dia bem difícil emocionalmente, onde eu realmente senti a resignação e comecei a me questionar o porquê de estar aqui. Me perguntei muito por que eu não estava “aproveitando” minhas férias para conhecer a Índia do Taj Mahal, do Rajastão, de Goa, os templos, os temperos, os ritmos, e estava vivendo essa experiência tão monástica dentro de um retiro? Por que não estava vivendo a minha ‘juventude’ pelas ruas? Por que não estava com o Happn ligado procurando crushs em Nova Delhi? Nesse dia me passou tudo na cabeça, até vontade de abreviar minha viagem e sair do retiro em dez dias, ao invés de quatorze, para ter mais tempo livre para passear.

No fim do dia, fiz psicanálise por Skype com meu terapeuta, como sempre faço quando estou viajando. Discutimos meus dilemas do momento: Édipo, o Rei, Narciso, mitologia rivalitária. Tomei fôlego e resolvi ficar quatorze dias, como previsto anteriormente. Para mim é muito importante resistir à tentação do poder, de decidir, de mudar de rota. Algo que estou trabalhando na minha ‘maturidade’ é não só o poder de tomar decisões, mas de viver plenamente as consequências delas. Não é hora de desistir.


Curry de manhã, de tarde, e de noite

Dia 06

Um dia tranquilo, bastante feliz porque finalmente parece que ouviram as minhas preces e deram uma ‘melhorada’ na comida. O curry estava menos forte, teve melão de sobremesa, um arroz delicioso com tâmaras e passas. Comi como não havia me alimentado todos os dias. Perdi 2,5kg nos primeiros dias e cheguei a ficar preocupado.


Me senti bem mais vigoroso nas sessões de yoga, que acontecem às 05h30 da manhã, horário delicioso, com o canto dos pássaros e da natureza, e às 17h, para encerrar o dia. Conheci melhor Jay, nosso mestre yogui, muito educado. Finalmente voltei a conversar com as pessoas, como as vizinhas da França, e as recém-chegadas da Austrália. Estava calado todos esses dias, e na verdade sigo sem muita conversa com a galera, afinal, já falo tanto na minha vida. Falo até demais, às vezes.

Eu não tinha trazido desodorante porque queria fazer uma linha mais natural, harebo. Mas eu mesmo não conseguia suportar o meu cheiro que estava a puro curry, e resolvi ir na rua procurar um — além de uma acetona porque estava com uma unha toda mal pintada. No supermercado tinha um Oreo. Meu coração disparou, mas não comi, voltei pra casa, com saudades.


A vaca do Athreya: magrinha né? Mas toda trabalhada no Sacramento. As índias são super sagradas na Índia, e no Kerala não é diferente.

Dia 07

Comecei a perceber um padrão onde tinha um dia bom e um dia ruim. Tanta instabilidade, dizem os médicos, é normal, enquanto você recebe um tratamento nos moldes do ayurveda. É o nosso corpo querendo repetir padrões de aceleração versus o ambiente te trazendo para outra velocidade.

Quarto e penúltimo dia de enema, aliás, sabe o que tem dentro de um enema? Entre ervas, óleos e mel, uma pitada de xixi de vaca destilado. Eita.

Dia 08

Pela primeira vez resolvi sair um pouco do retiro para dar uma volta pela cidade. Kottayam é bem precária, tem algumas lojas que vendem coisas de plástico, eletrodomésticos, umas roupas feias, nada demais. Acabei descobrindo um shopping, onde fui em busca de um cartão de memória para câmera. Encontrei uma loja de tortas com 16 sabores diferentes, fiquei estarrecido, saí correndo, muito desejo de doces. Falta de sexo também.


Terapeutas mulheres para clientes mulheres, terapeutas homens para clientes homens. Os tratamentos são feitos sempre sem roupa.

Dias 09 e 10

Dia de iniciar uma nova terapia, o nasya. Nasya é um procedimento onde eles vaporizam o seu rosto e depois colocam um líquido nas narinas para você expelir o muco do sistema respiratório. Para mim, especialmente, muito bom para ajudar na sinusite. Me incomodou muito, então é um sinal de que realmente precisava.

Estou até melhorando no yoga — tenho a flexibilidade de um senhor de 70 anos. Adoraria ser bom nisso um dia, me faz muito bem. Yoga e ayurveda tem tudo a ver.


Dia 11

A galera inventou um passeio pelas backwaters do Kerala, um roteiro turístico famoso no sul da Índia. São vários canais e encontros de braços de rio com o mar. Alugamos um barco enorme e ficamos lá curtindo o por do sol tomando água. Ah se fossem outros tempos, eu pensei. Tive uma miragem e vi aquele barco cheio de amigos, cerveja gelada, o DJ tocando Caetano. Saudades de Fevereiro na Bahia.


Marari Beach, balneário indiano. Para quem tá acostumado com as praias do Nordeste, a praia indiana não chega aos pés!

Dia 12

Quarto dia seguido de nasya, sinto que minha respiração está bem melhor. Decidi sair mais uma vez do retiro para conhecer a praia de Marari Beach, famosa por ser paradisíaca. Um lixo a ceu aberto, cheia de urubus, fiquei traumatizado. O mar, apesar de tranquilo, tinha banho interditado por causa das monções, que trazem muita sujeira dos rios para as praias. Acabei me enfiando em um resort onde o Paul McCartney já ficou hospedado, pagando o day use e curtindo o entardecer. Comida maravilhosa: neste dia eu acabei fugindo da dieta ayurveda, comi um biscoito e tomei um chá no hotel. Senti o açúcar percorrer meu corpo, sério.


Um dos terapeutas que me acompanhou no processo inteiro, Sri.

Dia 13

Último dia de retiro! Últimos tratamentos, uma massagem maravilhosa, inesquecível, feita com um saco de arroz quente sobre os músculos, melhor que transar. Última consulta com o Dr. Sryjit, que passou remedinhos para levar para o Brasil, para a sinusite, dores musculares e ansiedade. Espero que a alfândega não me encha o saco. Me despedi de todos os amigos e preparei as malas para seguir viagem para o Norte da Índia. Eu teria direito a mais uma manhã de tratamento, mas preferi ir logo para Delhi porque tenho poucos dias livres no país.

Conclusão

* Valores (média): 13 noites x R$ 400 = R$ 5.200. Inclui hospedagem, alimentação, yoga, transporte para o aeroporto
* Amei a experiência como uma introdução ao mundo ayurvédico, as massagens são uma delícia, o descanso é rejuvenescedor.
* Senti falta de receber mais conhecimento, aulas de ayurveda, saber melhor o que estava comendo e porque estava comendo aquilo.
* Senti também falta de mais aulas de meditação, além do yoga. Técnicas, pranayamas. Preferia que não houvesse internet nos quartos, teria ficado mais desconectado.
* Há pessoas que voltam até mais de dez vezes ao Athreya, como um senhor incrível da Espanha que estava por lá. Não sei se eu voltaria pra lá porque gosto de variar as experiências, mas é importante dizer que não são quinze dias de massagens que vão curar as noias da sua vida inteira: é importante levar os ensinamentos pra casa

Dois looks por menos de R$ 130: Verão C&A

Já pintou verão, calor no coração: dei uma passada na C&A da Praça General Osório, no Rio, para montar dois looks para o fim de ano, um bem com cara de Réveillon e outro mais tropical – com o desafio de gastar menos de R$ 200 em cada um. Acabei gastando na verdade menos ainda: R$ 130 por look. Uma pechincha né? Tem alguns links pra quem quiser comprar online e evitar as filas de fim de ano!


Regata longline off-white R$ 39,99
Regata cinza R$ 19,99
Calça skinny branca R$ 69,99

Rangiroa é a linha especial masculina da Cia. Marítima, que acabou de criar uma parceria especial com a C&A. Achei todo esse estampado minha cara, nem dá pra negar!

T-Shirt Rangiroa + C&A R$ 49,99
Bermuda estampada Rangiroa + C&A R$ 79,99

Fotos Ícaro Silva

Diário de Viagem: Manaus e Floresta Amazônica

Eu tinha essa dívida forte com meu roteiro de viagens: nunca havia pisado em solo amazônico. Apesar de já ter passado uma longa temporada no Acre, como repórter da TV Brasil, e muitas viagens ao Pará, no Amazonas propriamente dito ainda não tivera a chance. Caso resolvido com o convite do SEBRAE/AM para ministrar minha palestra sobre Comunicação, Moda & Internet na cidade. Para completar, levei minha mãe como acompanhante para passarmos uns dias na capital amazonense, seguidos de uma incursão pelo arquipélago de Anavilhanas, a 200km de Manaus. Delícia.

MANAUS Tivemos cerca de dois dias na cidade, o suficiente para fazer um bom roteiro sem muita pressa. Vamos aos pontos altos:

de repente amazonas, boa tarde manaus! uma saúva de entrada quem vai? tem gosto de erva cidreira 🌿

Uma foto publicada por Caio Braz (@caiobraz) em

RESTAURANTE BANZEIRO A boa é comer no Restaurante Banzeiro, talvez um dos mais premiados da cidade, onde servem Pirarucus e Tucunarés a torto e a direito. O caldinho de tucunaré ao chegar é uma cortesia, e uma gentileza local, e todo mundo prova a entrada com purê de mandioquinha e saúvas, que tem gosto de erva-cidreira. Vale pelo exótico, mas é um prazer efêmero, porque a formiga é minúscula, risos.

Theatro Amazonas, templo da Amazônia. Visita obrigatória em Manaus. Luxo danado 👑 #CaionaEstrada #Manaus

Uma foto publicada por Caio Braz (@caiobraz) em

TEATRO AMAZONAS O verdadeiro templo amazônico depois da floresta. Pensar que construíram um teatro tão suntuoso e lindo no começo dos anos 1900, auge do período da riqueza da borracha, em uma obra que demorou 13 anos para ficar pronta e deixou um palácio das artes que explode luxo em cada olhar. A arquitetura, os afrescos, o salão nobre, é tudo lindo demais. Vale a pena fazer a visita guiada, que é super rápida e dá um panorama geral sobre a história do Amazonas.

LOJA BRASIL ORIGINAL A Brasil Original é uma loja criada pelo SEBRAE em um projeto que ajuda os artesãos amazônicos a unirem design em suas criações e desenvolverem produtos sustentáveis, lindos e com um propósito mais comercial. Já que estamos na Amazônia, estamos falando de aldeias indígenas super vulneráveis e que aproveitam a chance para encontrar um caminho mais leve no encontro com o capitalismo. Amei este projeto, comprei pulseiras lindas. Preços super justos, fica no Amazonas Shopping.

ENCONTRO DAS ÁGUAS + PASSEIO DE BARCO PELO RIO AMAZONAS Aula de geografia da sexta série, lembra? O Rio Negro se junta com o Rio Solimões para formar o Rio Amazonas, causando o fenômeno encontro das águas, onde as águas não conseguem se juntar por diferenças de densidade, velocidade, temperatura e outros fatores. Na verdade este foi um episódio triste da minha viagem com a morte do drone Patrícia, que caiu em cheio nas águas. Uma das hélices voou, o drone perdeu o controle e sequer boiou, afundou direto no rio. Ficou a lição de nunca subestimar a força amazônica, que geralmente é recorrente em destruir equipamentos. Procure saber.

HOTEL VILLA AMAZÔNIA Um tesouro a apenas 70 metros do Teatro Amazonas, este hotel foi um achado incrível. Fica em um casarão histórico todo renovado, com piscina de pedra natural, mobiliário insuportavelmente lindo, como cômodas centenárias e cadeiras Sérgio Rodrigues, um café da manhã farto e com frutas regionais, e quartos cheirando a novo. Tem também um bistrô que não cheguei a provar, mas pedi room service algumas vezes e estava sempre delicioso. Super recomendo.

Imersão completa amazônica, também na literatura, salve Hatoum

Uma foto publicada por Caio Braz (@caiobraz) em

LIVRARIA DO JOAQUIM Bem do ladinho do Teatro Amazonas há um quiosque ma-ra-vi-lho-so com um raríssimo acervo de livros amazônicos e nacionais. Joaquim Melo é o livreiro responsável pela loja, especialista em historiografia da amazônia e mestre em sociedade e cultura na Amazônia. Uma figura super interessante para se bater um papo sobre literatura amazônica e brasileira, é claro. Eu e minha mãe ficamos quase uma hora conversando com ele, compramos um dicionário incrível de tupi-nheengatu e uns livros de Milton Hatoum. Quem gostar de literatura vai pirar.

por Tricia Vieira

ORLA DE PONTA NEGRA Ponta Negra é um bairro em Manaus com um quê de Barra da Tijuca, com uns prédios residenciais de luxo na orla. É bem interessante conhecer a orla de rio, revitalizada para o Copa do Mundo 2014, e de repente tomar um banho na praia do Rio Negro. Aproveitei para correr um pouco na viagem, tem um espaço legal para soltar as pernas. Depois da corrida, tomar um açaí no Waku Sese, o lugar mais recomendado pelos locais para tomar um bom açaí sem xarope de guaraná!

SELVA AMAZÔNICA: ANAVILHANAS JUNGLE LODGE

Procurando meu Macunaíma nas águas do Rio Negro @anavilhanaslodge

Uma foto publicada por Caio Braz (@caiobraz) em

O Anavilhanas é um capítulo à parte na Amazônia e traduz bem o conceito contemporâneo do que é o luxo distinto. Imagine um hotel dentro da mata, às margens do Rio Negro, com vários chalés com varandas de vidro, rede, ar condicionado split para enfrentar o calorão, camas box, tv a cabo e tudo o mais. Foi minha primeira vez ~acampando como fazem os ricos~ e confesso que gostei.

O Anavilhanas foi criado há uns 10 anos para preencher uma lacuna turística que acontecia no Amazonas: o turista ia até Manaus mas não conseguia montar um roteiro bacana pela selva pela falta de estrutura in loco. Pensando nisso, Guto e Fabi (que conheci, são super simpáticos e conversadores) se juntaram para construir este sonho no meio da Selva – um lugar que pudesse acolher os turistas com conforto e servisse como base para pequenas explorações pela floresta.

Eis que o Anavilhanas Jungle Lodge começou de mansinho mas ganhou um empurrão midiático importante: um perfil no New York Times escrito pelo jornalista Larry Rother (vocês lembram que esse foi o cara que escreveu que Lula era um álcoolatra?). A matéria é de 2007 e de lá pra cá o Anavilhanas evoluiu bastante. Hoje recebe gringos de todas as partes do mundo: durante a minha estadia estavam japoneses, alemães, americanos e franceses. Aliás, a Amazônia ainda é mais visitada por gringos do que por nós mesmos brasileiros.

coisa marlinda o boto-cor-de-rosa 💕 eles são enormes, fiquei de face @anavilhanaslodge

Uma foto publicada por Caio Braz (@caiobraz) em

Há pacotes com duração de 3 até 6 dias e as atividades são trilhas pela floresta, passeios de barco pelos igarapés e paranás para observação de animais, visita ao santuário dos botos, pesca de piranhas, e claro muito descanso e banho de rio. Os passeios não são nada hardcore, minha mãe que tem 63 anos conseguiu fazer tudo numa boa. É mesmo um lugar de descanso: que tal na sua próxima viagem, ao invés de ir mais uma vez a uma praia, se refrescar no Rio Negro? Aliás, um ponto positivo do Rio Negro é que ele tem menos mosquitos que seu irmão Solimões, por exemplo, por conta da acidez da água e outros fatores. Mas sempre bom levar repelente e tomar a vacina de febre amarela, é claro.

Férias em Cuba: roteiro, onde ficar, o que fazer

Visto Para Cuba

O visto para Cuba é necessário, mas é possível comprá-lo no aeroporto, e evitar a função de comparecer ao consulado ou mandar o passaporte por correio à Embaixada no Brasil. Se você viaja por Copa Airlines, vai precisar fazer uma conexão no Panamá e lá mesmo eles vendem, no check-in. Se você viaja pela Aeroméxico, também pode comprá-lo em Mexico City. Para as demais companhias, melhor verificar antes de viajar! Custa 20 dólares.

Como Chegar

As duas opções mais fáceis são com a Copa Airlines, que tem voos de várias cidades do Brasil (SP, Rio, POA, Recife, Brasília) até a Cidade do Panamá, onde você pega uma conexão até Havana. A Copa normalmente tem ótimo preços e as conexões são rápidas. No meu caso eu usei milhas até a Cidade do México (35.000, super promoção) e paguei o voo de Aeroméxico até Havana, custou uns R$ 1.500.

Câmbio e Táxi

Troque todo seu dinheiro no aeroporto, pois é a melhor cotação da cidade. É a cotação oficial do Banco Central Cubano (lembre-se que é tudo tabelado). A boa é levar euros, e não dólares, pois os dólares são sobretaxados em Cuba. Do aeroporto até o hotel/casa de família espere gastar 25 CUCs, é praticamente tabelado, não pague mais, mas não espere pagar menos. Táxi comum amarelo, os táxis vintage custam mais caro, sobretudo no aeroporto.


Havana Vieja é o centro antigão da cidade, uma mistura de destruição e sítio histórico onde se percorre tudo a pé e nos bicitáxis (táxis improvisados em bicicletas com carrocinhas que levam até duas pessoas) e hoje bastante turística. Catedrais, praças, restaurantes, lojas de souvenir.

Os bares clássicos de La Habana

Visita obrigatória no La Floridita, onde Hemingway tomava seu daiquiri. Mega turístico, mas é um daqueles lugares que tem que ir pra fazer uma foto. Em lugares como o La Floridita sempre entram músicos e começam a tocar a música tradicional cubana, são super talentosos, aproveite. No final, passam o chapeu para você dar uma gorjeta: não seja mão de vaca. 😃 Outro point de Hemingway é a ‘La Bodeguita del Medio’, onde ele tomava seu mojito, mas todo mundo fala que a comida é bem fraca então acabei só passando na frente, sem dar muita atenção.

Passear sem rumo pelas ruas da cidade antiga. Para os amantes de arte, o Museu Nacional de Bellas Artes é uma opção, a parte de arte cubana é bem interessante. Adorei a feirinha da Plaza Vieja, com muitos posters de filmes clássicos cubanos, literatura latino-americana e relógios soviéticos. Entre em tudo sem medo: é muito interessante entrar em qualquer lugar que tenha escrito ‘aquí se paga con moneda nacional’, o peso cubano, pois lá rola a Cuba de verdade. Fiquei de cara com um mercado onde os cubanos faziam suas compras da semana, com a caderneta socialista, onde fiquei horas conversando com o ‘gerente’ sobre a situação de Cuba e como anda o socialismo. Viajar é pra essas coisas. Ah, e La Habana, apesar de meio ‘escura’ é super segura!

COMIDA‘O Reilly 304 e 309: não é um lugar de comida tipicamente cubana, mas de cozinha internacional deliciosa. São dois bares, um em frente ao outro. Ceviche, tacos de lagosta, e um daiquiri de manga incrível. Daiquiri é uma bebida bem típica caribenha, que mistura rum, suco de frutas e vem num copinho hipster. Um dos melhores drinks da viagem, sem dúvida. Já dá pra conhecer uns turistas legais, o staff é lindo.

El Chanchullero: restaurante/bar super animado com um Ropa Vieja (o típico feijão-com-arroz-e-carne-assada-cubano) delicioso e muito bem servido. Eu amei as paredes e a decoração deste lugar, com frases anti-revolucionárias, claramente operado com jovens que não estão tão contentes assim com o sistema comunista.

Uma visita obrigatória é a Fábrica de Arte Cubano, um novo espaço imenso de arte contemporânea de Cuba, onde rolam exposições, DJS, performances, shows, e tudo o mais. É ‘o pico’de Havana. Infelizmente quando fomos estavam trocando as exposições e a FAC estava fechada (ela só abre de quinta a domingo, então você precisa se programar bem), mas o restaurante que fica no topo vale muito a visita, rola uma balada por lá.

Show do Buena Vista Social Club

Fomos buscar um lugar para curtir a noite na terça-feira, e um taxista acabou nos levando no show do ‘Buena Vista Social Club’, que sinceramente parece um show de cruzeiro. Me pergunto se havia mesmo algum componente original do Buena Vista por ali, talvez um ou dois. Meio cafona, mas se não tiver outra opção, vá para ouvir boa música, porque no fim das contas tem muita qualidade, e é divertido. 30 CUCs. A boa mesmo é ir no ‘Casa de La Música’, que tem bem menos turistas e a galera local.

City Tour em carro vintage

Você certamente vai ficar fascinado com os carros dos anos 50 que dominam o cenário de Havana e vai querer andar em algum deles. A carcaça é original, mas os motores estão tunados, portanto, andam super bem. É um passeio bem divertido e que rende ótimas fotos. O Parque da Cidade, ao lado do Capitólio, é um bom point para negociar com os cubanos, custa em média 30 CUCS por hora.

Eles te levam para um city-tour por pontos importantes da cidade, como a Plaza de La Revolución, onde estão as imagens míticas de Che Guevara e Camilo Cienfuegos, herois da revolução, e outros points da cidade. Antes de escolher o carro converse muito com eles para ver quem são os mais divertidos e falantes, porque faz toda a diferença.


No meio do entra-e-sai das locadoras de carro, visitamos o Hotel Nacional, o Copacabana Palace de Havana. Para entrar, você paga 5 CUCs, que se converte em um drink. É realmente lindo e tem o ‘bar dos mafiosos’, um bar super clássico onde você toma o Mojito de La Mafia, que foi o melhor da viagem: eles misturam rum Añejo Especial (mais escuro) com rum normal. Delícia.


Com o carro na mão, fomos passar o fim de tarde na zona de Vedado, outro bairro super importante da cidade, onde acontece a Havana de ‘hoje em dia’. Parada obrigatória na sorveteria Coppelia, cenário do filme clássico ‘Fresa y Chocolate’. Leve pesos cubanos e fique na fila dos cubanos, se você só tiver CUCS, eles vão te direcionar para a área turística, onde você pagará uma fortuna por uma bola de sorvete. Aliás, a Coppelia é mais pelo astral mesmo porque o sorvete é pura gordura hidrogenada.

Ao lado de Havana: Playas del Este

Depois, à tarde, partimos para a Playa Santa María, no mesmo carro conversível, a 30-40 minutos de Havana, pra começar a curtir o mar caribenho. Água cristalina e o primeiro batismo nas piscinas caribenhas.

O grande perrengue que foi alugar um carro

Alugar um carro é maravilhoso porque quem gosta de dirigir se diverte na estrada parando nos lugares, fazendo fotos únicas, conversando com os cubanos, ouvindo as playlists, enfim. Além de que no nosso caso foi bem necesário porque estávamos cheios de malas, equipamentos, drones, e não dá pra ficar entrando e saindo da rodoviária carregando um montão de coisas.

Só que ninguém avisou que para garantir um carro você precisa reservar com no mínimo 30 dias de antecedência. Perdemos o dia inteiro indo a todas as locadoras, que ficam dentro dos hoteis, até conseguir um carro por volta das 16h, depois de muito chororô. Não é barato, cerca de 80 CUCs por dia, mas foi o preço necessário pra nossa independência. As locadoras são estatizadas, como tudo em Cuba. Conseguimos na do Hotel Sevilla, fica a dica. Valeu muito à pena.

Pé na Estrada para Trinidad

Dia para finalmente pegar a estrada para Trinidad, cidade colonial e parada obrigatória entre todos os turistas que passam por Cuba. No caminho, fizemos uma parada maravilhosa na costa entre Playa Larga e Playa Giron. O estresse pra alugar o carro já valeu à pena pelas praias desertíssimas em que paramos, com uma mistura incrível de piscinas naturais verdes e azuis.

Trinidad é o máximo, vale muito à pena. Havana é incrível mas pode ser bem estressante aquele pede-pede dos cubanos e o ter-que-ficar-o-tempo-inteiro-dizendo-não. Imagine que Trinidad é uma cidade como Paraty, Olinda, ou Ouro Preto. Umas mansões coloniais absurdas, as ruas de pedras antigas, todo mundo andando a pé, restaurantes e bares cheios de mochileiros, e uma praça central onde rola todo o bafo: shows de salsa, vendedores de mojito, um fervo. Fizemos uns bons amigos espanhois e fomos parar na boate La Cueva, a música era bem comercial com muito reggaeton, mas é o point da galera.

Hospedagem: ficamos no Hostal Eilynn na Calle Maceo #700, em frente ao Hostal Colina. 30 CUC por quarto para duas pessoas, uma casa colonial belíssima com um terraço no segundo andar, uma acolhida muito simpática e carinhosa! Reverteu a má impressão da casa fria onde estivemos em Havana.

Sobrevivência nas Estradas

Uma dica importante para quem vai viajar de carro por Havana: quando houver internet, abra no Google Maps no seu telefone por cima do mapa de Cuba, com alguns zooms estratégicos nas cidades onde você pretende visitar. É muito fácil se perder nas estradas super mal sinalizadas, então o Google Maps apesar de não conseguir te criar roteiros (pela falta de 4G), te mostra pelo menos onde você está)

Tivemos um dia livre em Trinidad e fizemos um passeio pela Playa Ancón, onde inauguramos o nosso drone! A gente imaginava que o drone era proibido em Cuba, e por isso fomos extremamente discretos usando ele, sempre em lugares muito vazios e longe da polícia. Na verdade, ter entrado com o drone em Cuba foi quase um milagre, porque eles revistam você inteiro quando chega, mas por algum motivo, nosso drone passou despercebido. Se alguém tivesse nos pego, teríamos que guardar o drone no aeroporto e só pegar na saída.

Mas já que passou, fizemos imagens incríveis como estas:

Voltamos para a noite em Trinidad, onde tomamos mojitos na praça central e vimos um montão de salsa, até que começou a chover canivetes. A galera vende mojitos por 3 CUCs

Cayo Guillermo

Pegamos a estrada mais uma vez (250km) em direção a Cayo Guillermo, um paraíso do caribe. Cayo Coco é a praia ao lado mais famosa, Cayo Guillermo é um pouco mais tranquila e tem um esquema maravilhoso: um restaurante à beira mar com peixe e drinks, e uma piscina caribenha verde esmeralda à disposição. Chama-se Playa Pilar (anotem esse nome!)

O caminho é uma emoção à parte, os cubanos constroem uma estrada chamada ‘tetraplén’, que é como se fosse um aterro. Um aterro que cria um istmo (alô aulas de Geografia!) entre as ilhas e o continente, de 40km de comprimento. Estrada fascinante, e vista pelo drone, mais ainda.

Estas praias cubanas são super populares entre os turistas gringos e estão cheias de resorts internacionais, como Meliá, Pestana, mas a gente não tinha budget pra isso. À noite ficamos um ‘hotel de selva’ baratinho, só 30 CUCs para os dois a noite. Super em conta.

As fotos incríveis de Havana são do meu companheiro de viagem Victor Roncally – @roncca

Não deixe de asssitir o ‘Caio na Estrada CUBA’

10 verdades sobre Cuba que ninguém te falou antes de viajar

É muito quente!

Em Havana faz 35 graus na sombra e a gente sua o dia inteiro. Na hora de arrumar a mala, não faz a menor falta trazer nenhuma calça além da que você vai usar no avião. Todos estão sempre de bermuda e camiseta, e as mulheres de vestido ou roupas leves. Traga muitas opções frescas e se prepare para estar suado o dia inteiro. Chapeu ajuda bastante a vencer a batalha contra o calor, e claro, protetor solar.

A comida não é deliciosa

De uma maneira geral, a gastronomia cubana não brilha. O comunismo cria uma escassez de alimentos à qual os cubanos já estão bem acostumados, e pode estranhar aos estrangeiros. Salada fresca, por exemplo é quase uma iguaria: estou aqui há 10 dias e ainda não comi uma folha de alface. Por outro lado, lagostas e camarões tem bom preço. Não deixe de experimentar ropa vieja, um picadinho de carne típico cubano e traga do Brasil itens como chocolate, chiclete, barras de cereais, esses lanchinhos do dia-a-dia, porque falta até mesmo água nas lojas de conveniência.

Não é barata

A falsa impressão de que um país comunista é um destino barato se revela em Cuba. Aqui há duas moedas, o peso cubano, que você praticamente não vai ver, e o peso convertible (CUC), moeda dos turistas, que está atrelada ao euro. Apesar das contas em um restaurante dificilmente ultrapassarem 15 CUCs, são 15 euros, ou seja, quase 60 reais. Não é exatamente fácil para um budget de mochileiro.

A photo posted by Victor Ronccally (@roncca) on

- Havana Vieja parece Badgá ou a Síria

O cenário de Havana Vieja pode assustar a princípio: há destruição em todas as esquinas, prédios que seriam condenados à demolição no Brasil, com muitas rachaduras. As ruas à noite não tem iluminação nenhuma – apesar de tudo, dizem que é um país super seguro, mas dá medo de ficar na rua, principalmente com câmeras e coisas de valor. Pode ser apenas a falsa impressão de um brasileiro que acha que no escuro pode dar uma merda a qualquer segundo, mas é sempre bom se prevenir.

Tente não precisar de ajuda de verdade

É uma verdade péssima, porque o mais interessante de uma viagem pode ser a troca com as pessoas locais, mas em Cuba principalmente, não existe almoço grátis. Um pedido de informação abre a porta para um pequeno golpe, e tem gente que faz a vida dando golpes nos turistas, os chamados jiñeteros. Use a ‘brasilidade’ e o sexto sentido para evitar cair em roubadas: não aceite ofertas de hospedagem na rua, passeios, charutos, rum, ou qualquer coisa.

Não há sinalização boa nas estradas

Nos perdemos na saída de Havana para o leste do país e um rapaz se ofereceu para ajudar: com papo ótimo, falava sobre futebol, boxe, DIlma, Brasil, música, e tudo o mais. No final, tentou nos extorquir e cobrar uma fortuna pela informação e criou um climão na nossa viagem, quase chamamos a polícia para resolver. Ao invés de pedir informação no meio da estrada, tente em postos de gasolina ou com policiais.

É extremamente machista

Os homens mal podem ver uma mulher gostosa que se transformam em um animais, com piadas de péssimo gosto, assovios, insinuiações super constrangedoras. Cheguei a ver uma conversa onde estava conversando com um homem e uma mulher juntos, e ele disse a outra mulher: “quando dois homens estão se falando, uma mulher se cala”, e ela consentiu. Climão. Não quero dizer que uma mulher precise de um homem a seu lado para vir a Cuba, mas se prepare para uma cultura bastante misógina.

A photo posted by Caio Braz (@caiobraz) on

Turismo Sexual

Homens a todo o tempo conversam putaria e querem te agenciar com mulheres cubanas. Eles são insistentes, e mesmo quando você resiste, eles te falam que você não precisa pagar nada, além de ‘la fiesta’, ou seja, hoteis, bebidas, etc. Socorro! Eu sendo gay já tenho a cara de paisagem bem treinada pra essas situações, mas nunca tive que usar tanto na minha vida.

Traga presentes

Eu tenho certeza que você tem um montão de coisas em casa que não usa mais. Camisas, sapatos, cremes, cintos. É muito gentil presentear os cubanos com produtos que eles não tem acesso fácil, como roupas, perfumes e coisas super corriqueiras para nós. A situação dos cubanos não é nada fácil, imagine-se vivendo com um salário de R$ 200 por mês? Não custa nada a você, e um sorriso e presentes podem abrir as portas para conhecê-los melhor.

Tem que relaxar!

Como você vai precisar o tempo inteiro se livrar de pequenas roubadas, a boa é relaxar e não tentar ser aquela pessoa que vai ‘se dar bem’ (aliás, essa é uma dica pra vida inteira né, risos) e passar horas negociando centavo por centavo. Conheça bem seu budget e saiba até onde o seu bolso aguenta ceder e o quanto está disposto a perder dinheiro pelo conforto de desfrutar a viagem, mesmo sabendo que estão tirando uma vantagem sua porque você é turista. O turismo em Cuba funciona assim mesmo, é um motor muito forte da economia, e muitas famílias dependem disso.